segunda-feira, fevereiro 06, 2017

DE VOLTA AO DIVÃ.

 
Vocês e eu, é claro, já estávamos sentindo falta da Dra. Ana Lisa, a minha psicoterapeuta. É necessário explicar que nem eu nem ela desistimos: eu, da terapia, e ela de me atender.
Simplesmente, as férias de final de ano interromperam temporariamente as consultas. Nessa época, ela vai visitar os parentes que ainda residem em Vacaria, no Rio Grande do Sul (já comentei que ela é nascida nessa cidade). Lá ainda estão remanescentes dos primeiros Lambruscone que imigraram da Itália no século dezenove. Daí o nome da doutora, Ana Lisa Lambruscone.
Dito isto, cá estou de volta ao consultório e percebo que ela também aproveitou para dar uma modernizada no ambiente.
- Está bem melhor agora doutora –comentei, já deitado numa chaise longue mais confortável.
- Obrigada seu Dedé, já não era sem tempo. Um ambiente assim, mais “clean”, facilita psicologicamente a interação. Bem, mas vamos ao que interessa. Fale... como o senhor está se sentindo...
- A bem da verdade, doutora, início de ano, novas perspectivas, seria o ideal para gerar otimismo. -  Respirei fundo e prossegui:
- Infelizmente, tragédias aconteceram e ainda, a crescente onda de intolerância, preconceito,  fanatismo, que tomou conta de grande parte dos chamados "seres humanos", encenaram uma verdadeira tragicomédia nesse imenso palco onde atuamos, trazendo de volta velhos questionamentos: o porquê disso, a razão daquilo. Isso abala e mexe com as emoções de qualquer pessoa, até as mais insensíveis não é mesmo?
- Evidente, seu Dedé. Nossas conversas servem para levar em consideração todos os fatores que entram em jogo em um quadro clínico e sua consequente cura. A analogia feita com uma peça tragicômica, é uma maneira sensata de abordagem, porém, não devemos perder a esperança jamais. - E após uma pequena pausa, disse:
- Mesmo assim, sinto uma sensível melhora no seu modo de encarar as situações, por consequência, no seu quadro psicológico.
O tempo de nossa consulta passou célere e, enquanto ela se levantava da poltrona, comentei satisfeito:
- Obrigado, mas devo isso à sua competência doutora Ana Lisa e, se me permite dizer, nunca um nome esteve tão bem ligado à uma profissão.
-  Então tá, seu Dedé – disse quase sorrindo – até nossa próxima sessão.
-  Até doutora.
Já na rua, caminhando, pensava que o mais interessante é a coincidência não se restringir apenas ao nome... o sobrenome Lambruscone, também indicava que ela não desprezava um bom vinho.

Um comentário: